Emilia Clarke, estrela de "Game of Thrones" faz revelação dolorosa e abala fãs: "Pedi que me deixassem morrer"


Por Jane
Em 26/03/2019

"Emilia Clarke, a estrela de "Game of Thrones", revelou que sofreu dois aneurismas e várias operações cerebrais durante a primeira e segunda temporadas da série de sucesso. A atriz que interpreta o personagem Daenerys Targaryen na série, chocou os fãs ao revelar o que aconteceu quando foi ao ar a primeira e segunda temporadas da série. Emilia Clarke, sofreu dois aneurismas e várias operações cerebrais, que causam "ansiedade terrível" e ataques de pânico. 

Em uma entrevista publicada no The New Yorker, Clarke disse que ela estava "prestes a morrer". 

Apesar de estar convencida de que não sobreviveria, Clarke conseguiu uma recuperação além de suas "expectativas razoáveis". Clarke teve seu primeiro aneurisma em 2011. Ela sofreu um colapso doloroso durante o exercício no ginásio. Os médicos descobriram que ela tinha uma hemorragia subaracnóide (HSA), que é um tipo de AVC fatal que ocorre quando um vaso sanguíneo irrompe na superfície do cérebro. Um terço dos pacientes que sofrem com isso não sobrevive. 

Após a operação, ela sofreu um ataque de afasia, o que quase a fez deixar sua carreira como atriz, pois afetou suas habilidades de comunicação, tornando-a incapaz de falar de forma coerente. 

"Nos meus piores momentos que eu queria morrer, pedi aos meus médicos que me deixassem morrer", disse ela. Ela se recuperou o suficiente para voltar a gravar a segunda temporada da série, mas confessou: "eu estava tonta o tempo todo e me senti tão fraca que pensei que ia morrer", explicou Clarke. 

Em 2013, durante um trabalho em Nova York, ela realizou um nova operação para poder eliminar o segundo aneurisma. Essa operação teve que abrir o crânio, e foi um momento muito complicado para ela.  

"Pareceu-me que eu estava tendo que superar mais situações adversas do que a própria Daenerys (sua personagem)", disse Clarke. Essa é a primeira entrevista em que ela dá detalhes a dolorosa experiência ao The New Yorker. Recuperada, ela atualmente leva uma fundação para aqueles que sofreram e estão se recuperando de doenças neurológicas.